agosto 21, 2017

Esqueceram de mim, a vagina

mulher-esquecida

Mulher escocesa de 38 anos foi no médico por achar que estava com incontinência urinária. O médico examinou a área do conflito e caiu o queixo: havia um brinquedo sexual estacionado em sua própria vagina. Descobriu-se que o equipamento estava ali há dez anos e a desmemoriada disse não lembrar de nada estranho dentro dela.

O aparelho tinha 12 cm e foi retirado via cirurgia. Segundo o médico, havia risco de vida.

sex-toy

A escocesa quer faturar com sua porralouquice. Pretende o título mundial de “mulher que ficou por mais tempo com um brinquedo sexual dentro da vagina”.
fonte: Testosterona

agosto 14, 2017

A lei vai resolver

Atl x Vas
O problema da violência das torcidas no futebol brasileiro está à um passo da solução final. Está em estudo na Câmara dos Deputados um projeto que prevê a responsabilização dos clubes por crimes cometidos por torcedores ao redor (até 5 km) dos estádios. O projeto diz que “os clubes também passam a responder por ‘danos causados por suas torcidas organizadas num raio de 5 mil metros ao redor do local de realização do evento esportivo’.”
Fica claro, agora, que o problema dessa brigaçada toda em campo e fora dele é a falta de uma lei (como falta lei por aí…).
Os céticos dizem que não há a mínima possibilidade de que a bancada da bola permita a aprovação da peça. É uma maldade (essa descrença). Não acreditamos que deputados eleitos pelo povo contrariem uma lei tão boa?

agosto 08, 2017

Tempos modernos

Transito
Domingo passado, transitando tranquilamente pela rodovia que liga Orleans à Criciúma, na altura do Ventuno Pub, um pouco pra cá, caiu como um raio na nossa cabeça o significado da fala de um político quando da inauguração do trecho anos atrás. Disse ele: estamos entregando à comunidade uma estrada tão moderna, mas tão moderna, que por muitos anos quem transitar por ela vai ficar abismado com tanta modernidade.
Salvo engano, o discursante era Acélio Casagrande, Secretário Regional de plantão, que ocupava, então, um dos inúmeros cargos para os quais não foi eleito.
A consciência da modernidade da via chegou no momento que encostamos num bi-trem enormíssimo, que transitava a 25 ou 30 km/hora. Por ser uma estrada de última geração, não há como ultrapassar. A pista é povoada de tachões e terceira faixa para quem vem inexiste. Em um minuto a fila era de mais de um quilômetro. Do Ventuno até o primeiro ponto de ultrapassagem (na subida da Ceusa), a fila demorou 30 minutos (o normal seria 5).
É nessas horas que o benefício de uma pista moderna se manifesta.Toda irritação, raiva e/ou estresse é metabolizado diante da impossibilidade de fazer qualquer coisa. Você pode espancar o volante, brigar com a mulher, xingar os filhos que perguntam a toda hora porque está demorando, E tudo isso numa velocidade reduzidíssima. Sem riscos.
Você chega em casa zerado. É quando você, feliz, reza à Deus por não ter que rodar naquela rodovia tão cedo. Sabe cumé, modernidade demais enfarta. Como? Você passa lá todo dia? Bom. dizer o que…